quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Causa dos Animais precisa se alicerçar em fatos verdadeiros para ser respeitada


Todo dia, o sol se põe em nosso passado, mas nasce para o nosso futuro. Sempre que perdemos 24 horas, ganhamos mais 24 horas. Cada novo dia nos dá outra chance de fazer certas as coisas, e de fazer certas coisas. A escolha só depende de nós. A moral representa o conjunto de regras de conduta baseadas nas noções de bem e de mal. É sinônimo de ética e decência. 


As pessoas que se intitulam defensoras dos animais muito mais que uma troca de ideias e experiências buscam a aproximação com os valores e princípios pregados por seu patrono, São Francisco de Assis.

Hoje em dia, infelizmente a realidade encontrada é totalmente diferente da imaginada. A ideia do compromisso com os animais, talvez seja a única inspiração que assegura a necessidade para continuar nesta luta pelos direitos dos animais.

Algumas pessoas podem até contestar, mas se não houver urgentemente um resgate dos valores morais e éticos, estaremos nos movendo rapidamente na direção contrária a meta sonhada, ou seja, a proteção e defesa dos animais cairão num grande descrédito, o que antes era sinônimo de vontade, se transformará em frustração.

Eu acreditava que na medida em que avançasse no desafio de proteger os animais, teria mais coisas importantes para aprender e fazer, trabalhando a favor do crescimento desta nobre causa. Tornando-me cada vez mais confiante na minha missão. Mas, recentemente descobri que até a Declaração Universal dos Direitos dos Animais não foi proclamada pela UNESCO em sessão realizada em Bruxelas (Bélgica), em 27 de Janeiro de 1978. Este fato me deixou profundamente preocupada com precariedade das informações vinculadas sobre um tema tão importante.

A motivação de certas pessoas em pregar que a defesa animal se faz basicamente através da arrecadação de dinheiro, conseguindo ganhos rápidos e descompromissados, impedem que exista uma conscientização sobre o direito dos animais alicerçada no conhecimento , permitindo que haja divulgação de fatos desencontrados e contraditórios, geralmente criando muita polemica.

As repetidas divulgações de agressões aos animais, por exemplo, são um excelente indicador que a violência está sendo até banalizada e falta pesquisa sobre como garantir a dignidade dos animais. Enquanto muitos animais continuam sofrendo, a mídia é voltada para dar espaço para pessoas que só buscam se promover, apresentando casos isolados de maus tratos, que nunca são devidamente esclarecidos como foram resolvidos.

O clamor público só deve ser acionado para fatos que elevem a dignidade do animal, jamais para divulgar suas mazelas. Infelizmente, devemos atribuir esta terrível situação que se encontra a causa dos animais, ao amadorismo e a ignorância.

A convicção consegue derrotar as adversidades. Sem luta não há vitória. Sem empenho não há conquistas. Mas para que isto seja possível às pessoas bem intencionadas, verdadeiras amantes dos animais, precisam se fortalecer em fatos verídicos.

Os caminhos e as possibilidades precisam estar abertos para que todos consigam desenvolver suas aptidões e dar o melhor de si para esta militância. É fundamental depositar na causa a emoção e credibilidade e, não apenas dinheiro, para que a causa animal não acabe se perdendo no tempo e no espaço.


Autoria: Vininha F. Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário